Artigos

Aqui você tem acesso a diversos artigos produzidos pela AGATEF e por seus associados

Dia Nacional da Família

Em 24 de outubro de 1963, o Presidente da Rep√ļblica, Jo√£o Goulart, instituiu, atrav√©s de Decreto Presidencial, o Dia Nacional da Fam√≠lia. √Č uma boa oportunidade para refletirmos. A fam√≠lia, seja ela com que configura√ß√£o for, constitui-se como o primeiro espa√ßo de intera√ß√£o, conviv√™ncia e troca afetiva do ser humano. Ela √© o alicerce que >Siga lendo…

Dia das crianças, dia de refletir

Escuto com frequ√™ncia pais dizendo: “A √ļnica coisa que desejo √© que meus filhos sejam felizes”. Penso que isto √© muito pouco para se desejar aos filhos. Ficamos felizes quando nossos desejos s√£o satisfeitos. Isto √© muito bom com certeza e precisamos ter garra para sair em busca de realiza√ß√Ķes. Ali√°s, em uma sociedade que >Siga lendo…

15 de Maio РDia Internacional da Família

Em 15 de maio, o mundo inteiro celebra o Dia Internacional da Fam√≠lia   Esta data foi decretada como Dia Internacional da Fam√≠lia pela Assembl√©ia Geral¬† da ONU atrav√©s da resolu√ß√£o¬† 47237,¬† de 20/09/1993. Esta tem o intuito de chamar a aten√ß√£o de todo o mundo para os direitos e responsabilidades da fam√≠lia, bem como >Siga lendo…

A Psicoterapia Familiar no tratamento de pacientes com Transtornos Alimentares (Anorexia Nervosa e Bulimia Nervosa)

A Psicoterapia Familiar no tratamento de pacientes com Transtornos Alimentares (Anorexia Nervosa e Bulimia Nervosa), realizado em ambulat√≥rio de Hospital P√ļblico de Porto Alegre-RS. A Terapia Familiar tecendo redes entre diferentes contextos e intera√ß√Ķes. Dados das autoras: *Ieda Zamel Dorfman- Especialista em Psicologia Cl√≠nica; Terapeuta Familiar e de Casal; Pesquisadora Visitante do Hospital de Cl√≠nicas >Siga lendo…

O Acolhimento numa Clínica privada de Orientação Sistêmica

O objetivo deste trabalho √© apresentar o modelo de entrevista inicial desenvolvido na Prontamente Cl√≠nica da Fam√≠lia como parte do processo de acolhimento da clientela que nos procura. A complexidade que ganharam as ci√™ncias da sa√ļde, com a diversifica√ß√£o dos focos de forma√ß√£o profissional em diversas especialidades torna, por vezes, dif√≠cil a vida da clientela >Siga lendo…

Alternativa no Trabalho com Abusador

RESUMO A proposta deste texto √© focar a figura do abusador . Antes, por√©m, um breve hist√≥rico evidencia perspectivas na forma de trabalhar com viol√™ncia familiar e as mudan√ßas ocorridas, nestes 18 anos, em que venho me dedicando a esta √°rea. J√° n√£o interpretamos ser o comportamento sedutor da crian√ßa o que induz ao abuso. >Siga lendo…

Como Trabalhar com os Casais mais Difíceis

RESUMO Os casais mais dif√≠ceis, aqueles casais geralmente complementares que gritam, pouco se escutam , se acusam mutuamente e tem uma longa hist√≥ria de disfun√ß√£o s√£o um grande desafio para os terapeutas. Como psiquiatra acostumado a lidar com situa√ß√Ķes graves, apresento minha experiencia de 30 anos sobre como ajudar estes casais a modificar seus padr√Ķes >Siga lendo…

Do Furto √† Capacita√ß√£o: A Liberta√ß√£o do Segredo e de seus “Tent√°culos”

Palavras-chave:¬†segredo na ado√ß√£o, terapia de fam√≠lia, interdisciplinaridade, ado√ß√£o √† brasileira. Neste artigo, objetivamos exemplificar como o trabalho da revela√ß√£o de um segredo familiar √© libertador e capacitador dos membros da fam√≠lia que se encontram aprisionados por este segredo. Atrav√©s do relato da evolu√ß√£o do atendimento de uma fam√≠lia na qual a tem√°tica √© presente e >Siga lendo…

Entre a Realidade e os Sonhos: Aprendendo a lidar com as Diferenças

A partir do momento em que um casal come√ßa a planejar ter um filho, inicia-se um processo de constru√ß√£o ps√≠quica da imagem de como esse dever√° ser no futuro. Nessa imagem fantasiada os pais colocam muito de suas expectativas e sonhos. Esse filho dever√° ter as qualidades que os pais mais admiram ‚Äď intelig√™ncia, beleza, >Siga lendo…

Gênero e Mediação Familiar: Uma Interface Necessária

Resumo O presente texto pretende discutir as quest√Ķes e conceitos de g√™nero e media√ß√£o familiar, considerando suas implica√ß√Ķes nas rela√ß√Ķes de casais em crise. A proposta √© contribuir para compreender as transforma√ß√Ķes ocorridas nas rela√ß√Ķes de g√™nero e, como conseq√ľ√™ncia, o ‚Äúlugar‚ÄĚ ocupado pelos integrantes dos casais, ou seja, condutas, atributos e expectativas ligados √† >Siga lendo…

Quest√Ķes Afetivas versus Quest√Ķes Financeiras na Rela√ß√£o Conjugal

O relacionamento conjugal √© constru√≠do por v√°rios aspectos, que se entrela√ßam formando uma estrutura significativa na din√Ęmica do casal. Nesta estrutura, encontramos a quest√£o afetiva e a quest√£o financeira como parte importante do desenvolvimento deste relacionamento. A afetividade, sem d√ļvida, √© necess√°ria e saud√°vel. Ela vem associada a admira√ß√£o, ternura, amor, paix√£o e necessidade de >Siga lendo…

Trabalhando com Perdas: A Import√Ęncia da Amplia√ß√£o da Rede Familiar e Social

O presente trabalho, ilustrado atrav√©s de vinhetas cl√≠nicas, pretende evidenciar a import√Ęncia da implia√ß√£o da rede familiar e social como um recurso terap√™utico transformador em fam√≠lias que est√£o enfrentando uma perda. A morte de um familiar significativo tem profundas implica√ß√Ķes afetivas e estruturais na fam√≠lia, sendo sua m√° elabora√ß√£o um dos fatores que mais contribui >Siga lendo…

Transgeracionalidade e mecanismos de reação

Resumo: Esse trabalho surgiu a partir dos atendimentos realizados com a fam√≠lia Silva, durante o segundo ano do Curso de Forma√ß√£o em Terapia Familiar Sist√™mica. No processo de constru√ß√£o do genograma familiar, chamou-nos aten√ß√£o as heran√ßas que atravessavam as gera√ß√Ķes. Pesquisando sobre esse tema, nos deparamos com o termo: Transgeracionalidade, que optamos definir ‚Äú como >Siga lendo…

Vozes de Mulheres que Sofrem Violência

FERREIRA GULLAR expressa em seu poema ‚ÄúMUITAS VOZES‚ÄĚ: ‚ÄúMeu poema √© um tumulto: a fala que nele fala outras vozes arrasta em alarido. Estamos todos n√≥s cheio de vozes que o mais das vezes mal cabem em nossa voz‚ÄĚ   Na minha escuta das vozes das mulheres, ressoam forte as vozes de mulheres que gritam >Siga lendo…

O que pensam sobre o amor?

  Entrevista realizada por Adriana Zanonato, coordenadora de divulga√ß√£o e publica√ß√£o da Agatef, com o psic√≥logo Oswaldo M. Rodrigues Jr.. O que pensam sobre o amor? O amor deve ser encarado como uma forma desenvolvida pela humanidade para a manuten√ß√£o de conv√≠vio conjugal e familiar, produzindo mecanismos e identifica√ß√£o importantes que permitem outros mecanismos construtivos >Siga lendo…

Transtornos Alimentares – Artigo publicado na revista ‚ÄúRainha dos Apostolos‚ÄĚ

Transtornos alimentares Os segredos e as cegueiras em rela√ß√£o √† bulimia e √† anorexia Numa sociedade em que o culto √† magreza se imp√Ķe, poucos imaginam que uma boa adolescente excessivamente preocupada com a apar√™ncia possa estar emocionalmente doente. Assim, aqui tratamos sobre esses preocupantes dist√ļrbios culturais e ps√≠quicos. A entrevistada √© Ieda Zamel Dorfman, >Siga lendo…

Segredos e Cegueiras em família: Adoção

Entrevista realizada por Adriana Mioto, graduada em Letras, para a Revista Rainha dos Ap√≥stolos (n. 946, jul/03), com a psic√≥loga Iara L. Camaratta Anton. A partir de que momento come√ßa-se a falar ao filho a sua origem verdadeira? N√£o h√° como determinarmos um momento espec√≠fico. Se os pais adotivos encararem o fato com naturalidade e >Siga lendo…

Segredos e Cegueiras: √Ālcool e Drogadi√ß√£o

Entrevista com Helena Centeno Hintz   Rainha: √Č comum a fam√≠lia considerar que os usu√°rios de drogas e/ou √°lcool est√£o sempre fora e nunca dentro do lar? Helena Centeno Hintz: A fam√≠lia como um grupo de pessoas que, al√©m da uni√£o por la√ßos consang√ľ√≠neos ou por escolha, est√£o juntas por se amarem, tende a considerar >Siga lendo…

Terapia Familiar em Casas Lares

Autoria: Leila Sigal Suslik –¬†¬†Assistente Social, Terapeuta de Fam√≠lia e Casal. Prof¬™ convidada do Curso de Forma√ß√£o em Terapia de Casal e Fam√≠lia na Cl√≠nica de Psicoterapia ‚Äď CLIP. Secret√°ria do Conselho Deliberativo e Cient√≠fico da Associa√ß√£o Brasileira de Terapia Familiar -ABRATEF ‚Äď Gest√£o 2006-2008. Resumo O presente trabalho √© um relato vivencial que descreve >Siga lendo…